Nudez: uma proposta indecente?
Publicado por Os Naturistas

Nudez: uma proposta indecente?

Notícias de pouco tempo atrás. Um turista sueco criou um terrível “escândalo” ficando completamente nu na praia de Minori , na costa de Amalfi.

Nenhuma atitude provocativa, ambíguas ou maliciosa pelo escandinavo, que simplesmente estava a ler um livro, sem fantasias sobre ele, convencido de que ele poderia fazer o que em seu país é  tão natural como pode ser. A força pública prontamente interveio para reprimir um crime tão abjeto: o bárbaro do norte obteve assim uma bela lição na civilização italiana!

Uma nota positiva, no entanto, foi a reação do prefeito de Minori, Andrea Reale, que corretamente reconheceu que todos têm o direito de “viver a natureza à sua maneira” , sem a necessidade de se escandalizar com isso. No entanto, “este segmento do turismo”, acrescentou, “não encontra uma saída do nosso lado, porque de Vietri a Positano há uma falta de lugares para os nudistas”. A conformação do território seria um obstáculo à possibilidade de encontrar um lugar adequado para esse fim.

Frequentemente falamos – mesmo como resultado de algumas leis regionais que trataram (de maneira não muito feliz) do assunto – a necessidade de identificar “lugares a serem alocados para a prática nudista” e a dificuldade de os municípios encontrarem lugares “ adequado. ” Dificuldade ainda maior por uma quantidade de requisitos absurdos que muitas vezes são necessários para tais espaços potenciais para nudistas: eles devem ser isolados, cobertos por uma cobertura espessa, equipados com banheiros, etc.

Eu me permito fazer uma proposta modesta. Afirmo que posso entender, mesmo que não compartilhe, a preocupação de querer limitar a prática nudista. Eu posso entender, porque infelizmente eu conheço os preconceitos e medos que ainda são nutridos por aqueles que estão nus ao ar livre; Eu não compartilho isso, porque eu sei o quanto esses preconceitos e medos são completamente injustificados. A minha experiência recente em Fuerteventura demonstrou-me amplamente isso.

Porém, admitiu e não concedeu que é necessário fixar limites, minha proposta é começar a pensar em limites temporais, não mais de um tipo espacial. Deixe-me explicar melhor. Em vez de correr para procurar um “lugar adequado” para se dedicar especificamente à possibilidade de estar nu, por que não identificar um período específico (por exemplo, um dia por semana ou uma semana a cada dois meses), em que em todos os ambientes naturais de Comum – sejam elas a praia, a floresta, o campo, a margem do lago – a regra do vestuário é opcional , de acordo com a qual todos podem ficar como ele gosta nu ou vestido, sem o medo de incorrer em penalidades?

Estou convencido de que a implementação desta proposta teria uma série de efeitos positivos , tanto do ponto de vista do nudismo quanto do ponto de vista das administrações municipais. Limito-me a resumir alguns: a acusação de querer tirar espaço daqueles que não gostam de estar nus é rejeitada: nenhum espaço é exclusivamente e exclusivamente destinado à prática nudista ; além disso, a provisão de um período de tempo dentro do qual a nudez é concedida torna possível modular a quantidade de acordo com os requisitos; evitamos a criação de “guetos” nudistas , que na minha opinião são extremamente danosos, pois alimentam o preconceito que afinal, atrás daquela “cerca que o guarda exclui”, acontece alguma coisa, com o consequente estigma contra quem eles passam além da cerca;cria, ainda que apenas temporariamente, uma situação do tipo “espanhol”, em que as pessoas são educadas para viver com nudez , fazendo-as entender que não é apenas uma coisa absolutamente normal, que pode ser aceita sem problemas, mas também um estilo de vida totalmente adequado para famílias e crianças;

Ele permite que municípios vizinhos para coordenar o seu “dia vestuário opcional “ (em um município pode ficar nua na segunda-feira, outro na terça-feira, em uma cidade você pode ficar nu na primeira semana de junho, o segundo na outra; e assim por diante), de modo a obter a melhor situação para fazer o melhor uso do turismo nudista; torna-se evidente que, de fato, na natureza há muito poucos lugares “não adequados” em nudez, e que aqueles que estão nus na natureza não são um perigo público, mas os homens e mulheres que amam e respeitam o meio ambiente.

Em resumo, estou lançando minha proposta ao prefeito de Minori e a todos os outros prefeitos da Itália que querem ser sensíveis também às necessidades das minorias e uma parte não desprezível dos turistas italianos e estrangeiros. Não procure improváveis ​​”lugares adequados” para o nudismo, mas certifique – se de que em suas cidades você pode esperar dias opcionais de roupas ! Estou disposto a apostar que eles serão um sucesso, o que aumentará o fluxo de turistas e que em breve aumentará o número destes dias. Quem aceita a aposta?

Via Essere Nudo, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Licença de atribuição Creative Commons