Sem amarras: brasileiros naturistas desfrutam da praia do Rio
Publicado por Os Naturistas

Sem amarras: brasileiros naturistas desfrutam da praia do Rio

Pedro Ribeiro mora a apenas um quarteirão da praia de Copacabana, um dos trechos mais famosos do mundo de areia dourada. Mas quase todo fim de semana se dirige a Praia do Abricó para aproveitar o sol do jeito que veio ao mundo.

Após uma batalha de duas décadas, Ribeiro ajudou a encabeçar uma associação local de naturismo. O Rio de Janeiro tem sua primeira praia para naturistas, o que pode surpreender alguns, dado o renome da cidade por suas celebrações Carnavalescas e por qualquer outra coisa. A praia de Abricó, a cerca de 40 quilômetros a oeste do centro do Rio, foi oficialmente transformada em uma praia de nudismo no ano de 2014.

Enquanto as roupas de praia brasileiras podem ser tão próximas de ficar nu enquanto ostensivamente vestido, para os brasileiros esses minúsculos triângulos de tanga cobrindo partes íntimas fazem toda a diferença. O naturismo, fora dos desfiles de carnaval, ainda é amplamente desaprovado no Brasil. Nos mais de 7.400 quilômetros de litoral, existem apenas oito praias nudistas oficiais, incluindo agora o Abricó, no Rio de Janeiro.

Isso é comparado a mais de 200 áreas de recreação nuas nos EUA, sob os cuidados da Associação Americana de Recreação Nua, e na Europa, o naturismo é encarado de forma extremamente natural. “O naturismo, infelizmente, ainda é tratado como tabu. A maioria das pessoas daqui continuam a confundir naturismo com assuntos de caráter sexual”, disse Ribeiro, enquanto passeava a areia em seu traje de aniversário, equipado apenas com um boné para proteger a cabeça do sol.

“No Rio, você tem celebrações carnavalescas com pessoas nuas ou quase nuas desfilando nas escolas de samba. Mas os moradores do Rio só aceitam isso durante o Carnaval.” Cercado por vegetação tropical, o Abricó é isolado das praias vizinhas por formações rochosas descomunais. Por causa de sua reclusão, Abricó vem atraindo nudistas desde o final dos anos 1950, de acordo com Ribeiro.

A lei municipal aprovada no mês passado exige que a polícia patrulhe a praia. Mas assim, até agora nenhum apareceu, segundo Ribeiro. “Quando era ilegal ficar nu aqui, os policiais estavam aqui o tempo todo, ameaçando as pessoas”, disse ele. “Agora que precisamos deles aqui, eles não estão à vista.”

Claudio da Silva, um homem de 53 anos que foi uma das poucas pessoas que desafiam o tempo nublado para tirar seus trajes de banho em Abricó, disse que “infelizmente, os brasileiros ainda não estão psicologicamente preparados para o nudismo”.

“Essas atitudes não mudam da noite para o dia”, disse Silva, ostentando apenas seus óculos de sol. “Mas eu acredito que esta lei mostra que estamos progredindo lentamente.”

Via Mail Online, editora N

Equipe OS NATURISTAS