Por que devemos passar mais tempo nus?
Publicado por Os Naturistas

Por que devemos passar mais tempo nus?

Há anos, quando Amaranta Alfaro (38) morava em Kassel, na Alemanha, ela passeava com o filho pela cidade.

Eles estavam pedalando pelo meio de um parque e em uma curva, encontraram um velho que vinha na direção oposta deles, andando completamente nu. Sua primeira reação foi de surpresa ou choque, mesmo um pouco assustado. Ele não sabia muito bem o que fazer ou dizer ao filho, apenas pediu que ele seguisse em frente. Porém, metros depois, eles encontraram outra mulher lendo um livro deitada na grama e sem roupas.

Eles haviam entrado no parque de nudismo Fuldaaue, onde fica o lago natural Buga-See, e confirmaram isso quando viram uma placa que dizia zona FKK. Essas siglas representam um movimento informal denominado Freikörperkultur, cuja tradução é “cultura do corpo livre”.Os oito a doze milhões de nudistas alemães que fazem parte do movimento dizem que nesse estilo de vida não há confronto nem ideia de erotismo. Originalmente, no início de 1800 sob regimes autoritários, era uma filosofia de libertação que hoje se tornou um simples passatempo nacional. O FKK começou a se estabelecer em algumas praias alemãs a partir de 1900. Já treze anos depois, havia 50 facções dentro do movimento, principalmente da esquerda, que promovem a igualdade entre as pessoas com base na nudez. E não são os únicos, quem pratica o nudismo fala nisso como uma filosofia de vida, onde os cânones da beleza impostos pela moda perdem validade e isso ajuda, e muito, à autoaceitação do próprio corpo.

Ismael Rodrigo, licenciado em Química, membro do conselho da International Human Rights Foundation e há mais de 15 anos presidente da Federação Espanhola de Naturismo (FEN) disse numa entrevista publicada no efesalud.com , que “o nudismo é uma filosofia, uma mentalidade. Você é sempre um nudista, pratique ou não, porque é a maneira de uma pessoa pensar sobre o corpo humano. Eu acho que todo mundo é nudista de nascença e aí a sociedade nos impõe roupas e nos faz pensar que tem algo errado com o corpo, mas depois alguns de nós percebem que essa imposição é muito negativa e conseguimos superar as barreiras que nos instilaram em relação à nossa anatomia ”. Também não se trata de ficar o tempo todo sem roupa. “O nudismo torna as pessoas mais comunicativas, permite uma maior aceitação do corpo. As pessoas não percebem o quão negativo é o uso compulsivo da roupa quando não é necessário, porque em muitos momentos é, e também é útil ”, afirma.

E, claro, também influencia o relacionamento de nosso corpo com o de outras pessoas. Em meados de fevereiro, a renomada terapeuta sexual americana Emily Morse, carregou uma imagem em sua conta no Instagram @sexwithemily que dizia: “Conselho para melhorar a confiança corporal: passe mais tempo sozinha nua.” Lá, ele afirma que não é preciso esperar um momento sexual para curtir a nudez por um tempo. Para ela, a angústia que muitas pessoas sentem ao se despir é uma das seis causas mais comuns pelas quais não temos sexo suficiente ou relacionamentos tão agradáveis ​​como gostaríamos.

O psicólogo Loreto Vega concorda e afirma que “aproveitar os momentos de solidão para se despir permite ter uma maior consciência do corpo e controlá-lo melhor na hora de fazer sexo. Passamos a maior parte do tempo cobertos, mesmo quando dormimos, o que torna difícil nos conhecermos; não sabemos como é nosso corpo, como se parece, como se move. E essa ignorância gera insegurança. Por isso existe também o tema recorrente nos casais de não poderem fazer sexo com a luz acesa, porque não estamos habituados a ver corpos nus ”.

Segundo a psicóloga, foi criado um imaginário negativo sobre a nudez e a superação que é positivo no plano psicológico e social. “As roupas focam a atenção na sexualidade, porém em países ou grupos onde o nudismo foi naturalizado, ocorre o contrário: normalizam a nudez e depois eliminam aquele reducionismo que associa o corpo apenas ao sexo”, diz. E acrescenta que as mulheres têm sido mais afetadas por isso, já que a indústria se encarregou de mostrar apenas um tipo de corpo, não vemos outros, e nos é exigido “o nu perfeito, só na hora certa, só para satisfação. do homem “.

Para o presidente da FEN, o nudismo tem muito a ver com saúde, que, segundo ele, é algo integral e acima de tudo psicológico. “O ser humano não tem saúde quando não podemos ver nosso corpo de forma normal, é um absurdo esconder o corpo humano na educação e dizer às crianças desde cedo que se vistam e façam a ligação do nu com algo sujo. É desastroso como essas questões são tratadas ”.

Até a American Naturalist Society tem um livro com 205 argumentos e observações a favor do naturismo, nos quais argumentam que ele promove a saúde mental e o conceito do corpo como um todo, ao invés de separar partes dele como indesejáveis ​​e vergonhosas, e que é uma prática imensamente libertadora: “Ao se libertar para ficar nu na presença de outras pessoas, inclusive membros do sexo oposto, os nudistas também se livram de todas as noções sociais que acompanham o tabu da nudez.”

 Por LATERCERA, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Licença de atribuição Creative Commons

Quer ler mais artigos como este?, faça sua assinatura, clicando aqui,  e tenha acesso a todo conteúdo exclusivo, pague com sua conta do PayPal ou PagSeguro ou faça um PIX

Ajude o Portal OS NATURISTAS a trazer mais conteúdo de qualidade para todos!